Ritidoplastia





(Lifting facial ou Cirurgia da face)
 

objetivo principal da cirurgia plástica das pálpebras - ritidoplastia é remover o excesso de pele, reposicionando ("suspendendo") a pele e as estruturas da face, revertendo parcialmente esse aspecto de envelhecimento. O tratamento pode ser de toda a face ou restrito a determinados segmentos, como por exemplo, região frontal, terço médio ou região cervical (pescoço).

Com o passar dos anos, a pele do rosto, igualmente às outras regiões do organismo, perde elasticidade e turgor, apresentando um excesso. Este excesso, devido à ação da gravidade,é tracionado para baixo, tronando-o mais evidente (sulco nasolabial, região cervical), bem como deslocando também para baixo as demais estruturas da face (região malar, bolsas palpebrais, etc). 

O aspecto de face envelhecida não está relacionado apenas com a quantidade de pele, mas também com a qualidade da pele, a qual pode estar danificada pelos efeitos do sol e pela ação constante da musculatura facial , deixando as conhecidas rugas (ritides) na face, encontradas principalmente na testa, região labial, ao redor do olhos, etc. 

A proposta da cirurgia plástica , portanto, é remover o excesso de pele, reposicionando ("suspendendo") a pele e as estruturas da face, revertendo parcialmente esse aspecto de envelhecimento. O tratamento pode ser de toda a face ou restrito a determinados segmentos, como por exemplo, região frontal, terço médio ou região cervical (pescoço).

As alterações relacionadas à qualidade da pele podem ser melhorados através de procedimentos complementares como peelings (químico ou mecânico), preenchimentos (gordura ou ácido hialurônico) e redução da atividade muscular com aplicação de toxina botulínica (Botox®, Dysport®). 

A cirurgia plástica pode ser realizada sob anestesia local associada à sedação ou sob anestesia geral, de acordo com as indicações particulares a cada pacientes. 

O tempo de internação varia de 12 a 24 horas, podendo, em alguns casos, ser estendido de acordo com as condições de recuperação do paciente. O paciente recebe alta sem os curativos ou drenos. 

Após a cirurgia há sempre edema (inchaço) e equimoses (roxidão), os quais variam em intensidade e que regridem aproximadamente entre 2 a 3 semanas. A recuperação é indolor, ficando a sensibilidade reduzida por um certo período na área operada, ocorrendo recuperação total com o passar do tempo. 

O resultado definitivo é alcançado aproximadamente após 6 meses da cirurgia, pois esse é o período médio em que se completa o processo de cicatrização. 

Como qualquer procedimento cirúrgico, pode ocorrer algumas complicações como: hematoma, deiscência (abertura de pontos), alterações da cicatrização, sofrimento de pele, infecção. O preparo pré-operatório adequado associado aos cuidados pós-operatórios recomendados são fundamentais para evitá-las. 

È importante lembrar que todas as possíveis complicações são mais frequentes em pacientes fumantes, sendo fundamental suspender o tabagismo por pelo menos 14 dias antes e após a cirurgia



Comente:

Nenhum comentário

Comente Sempre!