Peeling e depilação podem ser perigosos






O inverno é a melhor época do ano para fazer tratamentos que exigem distância do sol como é o caso do peeling e da depilação a laser. O problema é que estes procedimentos estão sendo banalizados no Brasil. Feitos em salões de estética a baixo preço e sem a supervisão de um médico, colocam a saúde em risco e lotam os consultórios de pacientes. De acordo com a dermatologista, Pietra Martini, da clínica Priméra de Campinas, no frio 3 em cada 10 pacientes buscam por consulta médica para solucionar as complicações de tratamentos malfeitos. A boa notícia é que na maioria dos casos a recuperação é satisfatória. O maior problema é o abalo emocional que pode desencadear acne na pele já sensibilizada e claro, o prejuízo. Pietra diz que quem tem complicação em esteticista acaba gastando 3 vezes mais.

Indicações e contraindicações

A especialista explica que o peeling destrói a camada superficial da pele com aplicação de uma solução que contém ácido. A concentração depende de uma avaliação da resistência e cor da pele. "Em geral, na primeira sessão é feita uma esfoliação mais leve para avaliar como a pele reage", afirma. O procedimento estimula a produção de colágeno. Por isso, dá mais viço e firmeza à pele, elimina rugas superficiais e manchas de sol, mas não é indicado para todos.

Pietra afirma que as principais contraindicações são: gravidez, lactação, uso recente de isotretinoina para tratar acne, lesões ou doenças de pele ativas. Dependendo da técnica também pode ser contraindicado para peles negras que mancham com mais facilidade por causa da maior concentração de melanina.

"Quem faz tratamento contínuo com cremes que contêm ácido glicólico ou retinóico deve interromper o tratamento antes do procedimento para evitar ferimentos e manchas na pele" recomenda. A médica diz que o bom resultado depende também dos cuidados após o procedimento. "É muito importante usar filtro solar e fugir do sol, além de manter a pele hidratada para garantir a melhor regeneração das células", destaca.



Depilação ou enganação?

Pietra diz que a maioria das esteticistas trabalha com depilação definitiva feita com luz pulsada. Este tipo de equipamento, explica, libera feixes de luz que atingem os pelos e a pele. Resultado – A chance de queimar a pele é maior e os pelos voltam muito rápido. Só para se ter uma ideia, são necessárias 12 sessões de depilação com luz pulsada para eliminar todos os pelos. O laser diodo utilizado pela médica elimina 100% dos pelos em 6 a 7 sessões.

Independente do tipo de equipamento ela diz que o procedimento é contraindicado para pele bronzeada, morena ou negra. "Na pele clara com pelos escuros o resultado é melhor porque o feixe de luz localiza os pelos com mais facilidade" ressalta.

Independente da cor da pele, comenta, o resultado também está relacionado ao equilíbrio hormonal. Mulheres que tenham qualquer doença que provoca disfunção hormonal não devem fazer depilação definitiva porque os hormônios estimulam o crescimento dos pelos no mesmo local.

Para as mais econômicas que gostam de resolver tudo em casa a dica é – laser de uso doméstico tem potência baixa, mas ainda assim, o mal uso pode queimar a pele. A baixa potência faz a depilação ficar longe de um resultado definitivo.

Comente:

Nenhum comentário

Comente Sempre!